El derecho internacional de los derechos humanos

El movimiento internacional de los derechos humanos se fortaleció con la aprobación de la Declaración Universal de Derechos Humanos por parte de la Asamblea General de las Naciones Unidas el 10 de diciembre de 1948. Redactada como “un ideal común por el que todos los pueblos y naciones deben esforzarse”, en la Declaración, por primera vez en la historia de la humanidad, se establecen claramente los derechos civiles, políticos, económicos, sociales y culturales básicos de los que todos los seres humanos deben gozar. A lo largo de los años lo establecido en la Declaración ha sido ampliamente aceptado como las normas fundamentales de derechos humanos que todos deben respetar y proteger. La Declaración Universal, junto con el Pacto Internacional de Derechos Civiles y Políticos y sus dos protocolos facultativos, y el Pacto Internacional de Derechos Económicos, Sociales y Culturales, forman la llamada “Carta Internacional de Derechos Humanos”. 

Una serie de tratados internacionales de derechos humanos y otros instrumentos adoptados desde 1945 han conferido una base jurídica a los derechos humanos inherentes y han desarrollado el conjunto de derechos humanos internacionales. En el plano regional se han adoptado otros instrumentos que reflejan las preocupaciones específicas en materia de derechos humanos de la respectiva región, y en los que se establecen determinados mecanismos de protección. La mayoría de los Estados también ha adoptado constituciones y otras leyes que protegen formalmente los derechos humanos fundamentales. Si bien los tratados internacionales y el derecho consuetudinario forman la columna vertebral del derecho internacional de derechos humanos, otros instrumentos, como declaraciones, directrices y principios adoptados en el plano internacional contribuyen a su comprensión, aplicación y desarrollo. El respeto por los derechos humanos requiere el establecimiento del estado de derecho en el plano nacional e internacional.

El derecho internacional de los derechos humanos establece las obligaciones que los Estados deben respetar. Al pasar a ser partes en los tratados internacionales, los Estados asumen las obligaciones y los deberes, en virtud del derecho internacional, de respetar, proteger y realizar los derechos humanos. La obligación de respetarlos significa que los Estados deben abstenerse de interferir en el disfrute de los derechos humanos, o de limitarlos. L a obligación de protegerlos exige que los Estados impidan los abusos de los derechos humanos contra individuos y grupos. La obligación de realizarlos significa que los Estados deben adoptar medidas positivas para facilitar el disfrute de los derechos humanos básicos.

A través de la ratificación de los tratados internacionales de derechos humanos, los gobiernos se comprometen a adoptar medidas y leyes internas compatibles con las obligaciones y deberes dimanantes de los tratados. En caso de que los procedimientos judiciales nacionales no aborden los abusos contra los derechos humanos, existen mecanismos y procedimientos en el plano regional e internacional para presentar denuncias o comunicaciones individuales, que ayudan a garantizar que las normas internacionales de derechos humanos sean efectivamente respetadas, aplicadas y acatadas en el plano local.

Más información

Advertisements

Internet Society Welcomes Adoption of Resolution on Human Rights and the Internet at 20th Human Rights Council

Reproduzo aqui o exemplar e oportuno posicionamento da nossa Internet Society em apoio à Resolução do Conselho de Direitos Humanos da ONU pela Internet aberta e acessível.
09 July 2012

[Geneva, Switzerland, 9 July 2012] — The Internet Society welcomes the United Nations Human Rights Council’s Resolution on the “promotion, protection, and enjoyment of human rights on the Internet.” The Resolution affirms that the same rights that people have offline must also be protected online, and recognizes the global and open Internet as a driving force for development. It also calls upon all States to promote and facilitate access to the Internet. The 20th Session of the United Nations Human Rights Council was held in Geneva on 18 June – 6 July 2012.

The Resolution was put forward by Sweden and adopted by consensus.

Markus Kummer, Vice President of Public Policy at the Internet Society, commented, “We are grateful to Sweden and all the countries that supported this Resolution as it reaffirms the importance of the Internet as an enabler of the fundamental rights of every individual. The Human Rights Council has an important role to play in ensuring that its Member States allow their citizens to exercise their most basic rights, including the freedom to express themselves or associate peacefully online.”

In recent years, momentum has been building in the Council for the inclusion of the Internet as a legitimate space to take into account for the exercise of several human rights. The report by the Special Rapporteur on the promotion and protection of the right to freedom of opinion and expression has made it clear that denying access to the Internet can be a violation of a fundamental human right.

Kummer remarked, “It is encouraging to see this formal endorsement of a rights-based approach for the Internet. There have been numerous examples of policies encouraging restrictions of Internet access without due regard to users’ ability to exercise some of their fundamental rights. The Internet has permeated all aspects of our lives, and this text reminds us that we cannot dissociate the international human rights regime and the rule of law from the widespread use of the open, decentralized, and global Internet.”

The Internet Society engaged in drafting sessions leading to the adoption of this new Resolution and suggested the inclusion of the notion of the “open Internet” in the text, which was subsequently included in the final document.

“The inclusion of the open and global nature of the Internet in this official UN Resolution is an acknowledgment of some of the key attributes that make the Internet successful,” said Lynn St. Amour, President and Chief Executive Officer of the Internet Society. “We firmly believe that the open Internet model is organically linked to the exercise of Human Rights online. Thanks to its fundamental characteristics, the Internet has given a great boost to freedom of expression and peaceful assembly throughout the world. These characteristics must be preserved.”

About the Internet Society
The Internet Society is the trusted independent source for Internet information and thought leadership from around the world. With its principled vision and substantial technological foundation, the Internet Society promotes open dialogue on Internet policy, technology, and future development among users, companies, governments, and other organizations. Working with its members and Chapters around the world, the Internet Society enables the continued evolution and growth of the Internet for everyone. For more information, visit www.internetsociety.org.

Nous sommes les 99% : solidarité déterminée avec le mouvement Occupy Wall Street et les Indignés | Attac France

Solidariedade com Occupy Wall Street-contra a repressão em Nova York que expulsou com brutalidade e prendeu os manifestantes de Occupy Wall Street, atingindo os direitos e as liberdades da cidadania.

Nous sommes les 99% : solidarité déterminée avec le mouvement Occupy Wall Street et les Indignés | Attac France:

‘via Blog this’

… À la Défense comme à New-York, place Syntagma comme Puerta del Sol, ce sont les expressions déterminées de cette indignation planétaire qu’on veut réduire au silence.

…Nous sommes déterminés à résister. Attac France apporte son soutien aux militants new-yorkais, aux indignés français, et à toutes celles et ceux qui résistent à ces reculs démocratiques, et réaffirme son engagement à désarmer les marchés.

Reproduzido por Jacob (J.) Lumier (aderente de Attac France).

Jornalismo, moral profissional, liberdade de expressão


Como se sabe, os sociólogos observaram que a crise moral decorrente do diminuição da importância do indivíduo e dos valores do individualismo liga-se ao aprofundamento da divisão do trabalho social e ao desenvolvimento dos agrupamentos de atividade econômica, em detrimento do Contrato, com o Estado e a família perdendo sua força de integração.

Na busca das referências alternativas da vida moral, sociólogos notáveis como Émile Durkheim acreditaram que a vida moderna favoreceu a configuração da organização profissional em poder moralizador central, a que corresponderia maior coesão entre o individual e o coletivo.

Nas questões públicas atuais, o posicionamento contrário à valorização da profissão do jornalista acrescenta um aspecto a mais a essa observação de Durkheim. Ou seja, não se trata somente de ter em conta a coesão social, mas sim reconhecer que um aspecto significativo da liberdade de expressão liga-se à moral profissional do jornalista. O reconhecimento da formação universitária não se reduz à reserva de mercado, mas põe em relevo o valor do espírito crítico no exercício da profissão de jornalista e, por consequência, no aprofundamento da liberdade de expressão.

***

Reproduzo adiante um trecho do rico artigo publicado no Observatório da Imprensa e intitulado DIPLOMA & HIPOCRISIA: Quem tem legitimidade para defender a liberdade de imprensa? Por Alberto Dines em 23/6/2009

Antes de discutir a questão do diploma é imperioso discutir a legitimidade dos autores da Ação Civil Pública acolhida pelo Supremo Tribunal Federal que resultou na extinção da sua obrigatoriedade para o exercício do jornalismo.

No recurso interposto pelo Ministério Público Federal, o SERTESP (Sindicato das Empresas de Rádio e TV do Estado de S. Paulo) aparece como assistente simples. A participação do MPF nesta questão é inédita e altamente controversa, tanto assim que o ministro Gilmar Mendes abandonou, numa parte substanciosa do seu relatório, o mérito da questão para justificar a inopinada aparição do órgão público numa questão difusa e doutrinal, suscitada aleatoriamente, sem qualquer fato novo ou materialização de ameaça.

Imaginemos que os juristas e o próprio MPF acabem por convencer a sociedade brasileira da legitimidade de sua intervenção. Pergunta-se então: tem o SERTESP credibilidade para defender uma cláusula pétrea da Carta Magna que sequer estava ameaçada? Quem conferiu a este sindicato de empresários o diploma de defensor do interesse público? Quem representa institucionalmente – a cidadania ou as empresas comerciais, concessionárias de radiodifusão, sediadas em S. Paulo?

Na condição de concessionárias, as afiliadas da SERTESP são dignas de fé, têm desempenho ilibado? Nunca infringiram os regulamentos do poder concedente (o Estado brasileiro) que se comprometeram a obedecer estritamente? Respeitam a classificação da programação por faixa etária? As redes de rádio e TV com sede no estado de São Paulo porventura opõem-se ou fazem parta da despudorada e inconstitucional folia de concessões a parlamentares?

Se este sindicato regional de empresas claudica em matéria cívica e não tem condições de apresentar uma folha corrida capaz de qualificá-lo como defensor da liberdade de expressão, por que não foram convocadas as entidades nacionais? Onde está a ABERT e a sua dissidência, a ABRA? Brigaram?

E por que razão a ANJ (Associação Nacional de Jornais) de repente começou a aparecer como co-patrocinadora do recurso contra o diploma depois da vitória na votação? A carona tardia teria algo a ver com as notórias rivalidades dentro do bunker patronal? Essas rivalidades empresariais não colocam sob suspeita o mandato de guardiã da liberdade que o SERTESP avocou para si?

Grupo minoritário se sobrepõe à cidadania

De qualquer forma evidenciou-se que numa sociedade democrática, diversificada e pluralista a defesa da Constituição não pode ser transferida para um grupo minoritário (o SERTESP) dentro de um segmento (o dos empresários de comunicação) dilacerado por interesses conflitantes e nem sempre os mais idealistas.

O Ministério Público Federal, como órgão do Estado brasileiro, para levar a bom termo a Ação Civil Pública, deveria ter organizado audiências públicas para ouvir as demais partes. Contentou-se em acionar a ré (a União) e suas assistentes simples (a Fenaj e o Sindicato de Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, ambas com atuações abaixo do sofrível). Contentou-se com os interesses das corporações e deixou de lado a oportunidade de renovar e aprimorar o ensino do jornalismo.

Não se sabe o que efetivamente pensam os leitores, ouvintes e telespectadores sobre a questão do diploma e, principalmente, sobre as excentricidades do julgamento. Os jornais têm registrado algumas cartas simbólicas sobre o diploma em si para fingir neutralidade e passam ao largo dos demais aspectos.

Articulistas calados

O que chama a atenção é que nos cinco dias seguintes à decisão da suprema corte (edições de quinta-feira, 18/6, até segunda-feira, 22/6) dos 28 espaços diários reservados a articulistas regulares e colaboradores eventuais nos três principais jornalões apenas um jornalista manifestou-se de forma inequívoca a favor da manutenção do status quo. Dos 140 consagrados nomões que se revezaram todos os dias ao longo de quase uma semana, só Janio de Freitas (Folha de S. Paulo, domingo, 21/6) reagiu aos triunfantes editoriais da grande imprensa comemorando a morte do dragão da maldade, a obrigatoriedade do diploma.

Miriam Leitão, Gilberto Dimenstein e João Ubaldo Ribeiro discordaram da cortina de silêncio imposta pela ANJ, por meio dos comandos das redações, e não permitiram que o assunto fosse engavetado. Parabéns. Mas não se manifestaram a respeito da obrigatoriedade. Não quiseram ou não puderam.

A festa libertária acabou convertida numa festa liberticida. O cidadão recebeu um razoável volume de material noticioso e reflexivo, porém linear, esvaziado de qualquer elemento crítico ou, pelo menos, questionador.

Neste grande festival de hipocrisias, a imprensa aposenta o bastão de Quarto Poder e assume-se abertamente como lobby empresarial. Já o STF, obcecado pela idéia de tornar-se um petit-comité legislativo, no lugar de converter-se em coveiro do autoritarismo, é apenas o parteiro de um novo mandonismo cartorial.

***
Leia o artigo completo