Jacob J. Lumier Es profesor en la educación superior y sociólogo profesional, ejerció la docencia, enseñando Sociología y Metodología Científica en la universidad particular y en la pública. Elabora y divulga e-Books / libros, y blogs. Es fundador de SSF/RIO Fórum de Sociología; miembro de la International Sociological Association – ISA. Es adepto de la OHCHR Civil Society Section. Publicista no-profesional, ha difundido artículos en la Web del proyecto periodístico “Observatorio de la Prensa”, en la “Ciranda de la Información”, en el “Jus Navigandi”; Ha difundido trabajos y obras de sociología (a) en la Web de la Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura-OEI; (b) en la Web del Ministerio de Educación de Brasil Mec.br (Dominio Público); (c) en el Grupo Eumed.net de Ciencias Sociales de la Universidad de Málaga (España); (d) en la Web de la International Sociological Association – ISA. Presentó comunicación en el Foro On Human Rights, Democracy And Rule Of Law – United Nations 2016.     Linhas básicas ao estudo sociológico de Indivíduo e Sociedade: As Ambiguidades Dialéticas (Palestra de Sociologia)Linhas básicas ao estudo sociológico de Indivíduo e Sociedade: As Ambiguidades Dialéticas (Palestra de Sociologia) 09 de Maio de 2012, 52 págs. Em face da recorrência de concepções social-atomistas do tipo “mentalidade conformada”, que tendem para reduzir as relações humanas e sociais ao “imaginário psicologista”, o presente texto sugere uma reflexão crítica em vista de compreender que o indivíduo e as relações humanas e sociais não são identificadas nem ao sistema nem ao mercado; não se reduzem à busca de vantagem diferencial que caracteriza o mercado, nem à hierarquia das desigualdades de posição econômica que alicerça o sistema. As análises que vou comentar são relatadas por influentes sociólogos do século vinte e estão em sintonia com as preocupações conjuntas de educadores, psicólogos e sociólogos. Como todos sabem os manuais de psicologia social sempre debatem o problema da integração do indivíduo na sociedade. Em psicopedagogia por sua vez, esse problema corresponde e se desdobra no estudo da socialização da criança. Evidentemente, o propósito desse texto é bem restrito. Pretendo apresentar nada mais do que um resumo sobre a compreensão sociológica das ambiguidades dialéticas em torno de indivíduo e sociedade.   Comunicação e Sociologia

capa comunicação e Sociologia _ OEI 2010
Lumier, Jacob (J) [1948]: “Comunicação e Sociologia” – Artigos Críticos Internet, E-book monográfico, versão pdf, Setembro 2010, 107 págs. Coletânea de artigos – com notas, bibliografia e índice analítico eletrônico (sumário) Publicação do Websitio Produção Leituras do Século XX – PLSV: Literatura Digital http://www.leiturasjlumierautor.pro.br

      Sociología y Derechos Humanos: Introducción     N° de páginas: 91   Julio 2014 Desde el punto de vista del pluralismo efectivo de la realidad social, con sus escalas, sus cuadros sociales y sus procedimientos dialécticos, el aspecto multidimensional de los derechos humanos en su interpenetración, afirmándose unos por los otros, no podría permanecer en según plano, sobre todo porque hay en eso el elemento de la solidaridad internacional, puesto en foco por la tercera generación de los derechos humanos, que, abarcando  los derechos que van más allá del ámbito civil y social, alberga el amplio espectro de los derechos grupales y  colectivos, los cuales, en medio de otros, apuntan a la consecución de un nivel de vida adecuado. Entre los tópicos debatidos aquí, se observó que la era de las tecnologías de la información y comunicación (TICs) favorece la tendencia para la retomada del utilitarismo como doctrina de recorte moral, y que este hecho debe ser tenido en cuenta en el estudio de los derechos humanos desde el punto de vista sociológico, ya que allí, igualmente a los adeptos  actuales del atomismo, prevalece la visión de la sociedad únicamente de individuos para la realización de fines que son primariamente los fines individuales, lo que lleva a hablar de que “no hay tal cosa como una sociedad”, y por extensión nada del derecho internacional a la solidaridad.   El sociológico y el jurídico en el enseño de los derechos humanos   El sociológico y el jurídico en el enseño de los derechos humanos N° de páginas: 66  Julio 2017 El desafío del presente trabajo es poner en relieve la diferencia y complementariedad entre los estudios jurídicos y la sociología ante el enseño de los derechos humanos. En los estudios jurídicos, la constatación de que los derechos de un individuo conviven con los derechos de otros no es tratada como un hecho social en el sentido empírico del termo, sino que es un resultado, y acontece únicamente bajo condición. Es la colocación en perspectiva de la actividad de ponderación, característica de los tribunales, que es tenida por indispensable para que sea posible la dicha convivencia de derechos, la cual se revela, pues, un hecho normativo, ideal a ser protegido por los tribunales. Sin embargo, el carácter social histórico de los de-rechos humanos es incontestable y debe ser llevado en cuenta. En sociología, no es posible dejar de lado el hecho de la correlación de los derechos con los cuadros sociales. Es decir, el hecho social de la fusión parcial entre las prerrogativas de unos y las obligaciones de otros, que precede la actividad de ponderación.

 

Videos e Palestras

https://leiturasjlumierautor.pro.br/Video-Palestras/

 

  Entraves ideológicos para a aproximação de sociologia e direitos humanos. Notas sobre o hegelianismo em Max Weber e em Karl Marx N° de páginas: 47   Janeiro 2017 A influência do hegelianismo e da ideologia da dialética, como contrários aos direitos humanos e as convenções internacionais neste campo, deve-se ao peso histórico do mesmo como fonte da doutrina de soberania nacional exclusiva, em cujas fronteiras as sociologias se deixam aprisionar como sociologias nacionais, alheias ao esforço atual de internacionalização desta disciplina científica. No presente artigo, distinguimos inicialmente a influência do hegelianismo na sociologia do conhecimento, que é constatada na concepção conservadora do saber, como instrumento de adaptação do espírito às situações existentes ao longo da história, que seduziu a Karl Mannheim. Mas, na transposição de valores que lhe corresponde, o hegelianismo exerce uma influência mais ampla, que alcança a teoria sociológica, na medida em que esta, por sua vez, assume uma filosofia da história, como acontece na obra de Max Weber e em Karl Marx. Nesse aspecto, o hegelianismo passa uma verdade chamada a se afirmar fora de qualquer quadro de referência, como ausência de limite de uma misteriosa vontade universal, cuja influência os mencionados sociólogos aceitam ao aproximar teodiceia e ideologia revolucionária.   A Ideia Tridimensional em Sociologia    N° de páginas: 156    Julho 2011 Este livro reune os elementos sociológicos para desenvolver o estudo do pluralismo social efetivo.     La Sociología, los Derechos Humanos y la Deconstrucción de las Desigualdades Estudio crítico sobre la estratificación social en entornos capitalistas. N° de páginas: 88   Agosto 2014 Versión en libro del paper completo de Abril 2013 presentado a la International Sociological Association –ISA con el siguiente título: “La sociología en la universalización de los derechos humanos y sociales a través de la deconstrucción de las desigualdades” – “Sociology in the universalization of human and social rights through deconstruction of inequalities”. En presencia del desafío de satisfacer la demanda actual por una sociología con provecho en la decons-trucción de las desigualdades, entendidas estas últimas como obstáculos a la universalización de los derechos humanos y sociales, este documento destaca la nece-sidad de superar la tendencia utilitarista en estudios sobre la estratificación social en entornos capitalistas. Desarrolla una comprensión sociológica en torno a la constatación de que los focos de los derechos hu-manos son las libertades humanas esenciales , com-prendidas por ellas mismas y, debido a este hecho, son más de lo que serían las variables lógicas. Por esta vía, articula el punto de vista del pluralismo efectivo de la realidad social con los conjuntos prácticos abiertos a la creación colectiva, cuya variabilidad ultrapasa la repro-ducción de los paradigmas del sistema. De este punto de partida, el autor tiene en vista explicitar como la sociología pudiera contribuir para los Derechos Humanos con la deconstrucción de las de-sigualdades; elabora sobre la crítica a las proyecciones de una jerarquía de posiciones, sean estas basadas en autoridad y prestigio, o centradas en la busca de venta-ja diferencial.   O diferencial da liberdade de expressão   N° de páginas: 27    23 de janeiro 2017 Versão aperfeiçoada de Artigo e sociologia originalmente publicado no Observatório da Imprensa. A controvérsia mundial sobre disseminação de notícias falsas reabre a discussão sobre a diferença entre opiniões pessoais e a liberdade de expressão. O presente artigo visa esclarecer sobre certos equívocos repetidos em websites da Internet em que a liberdade de expressão é tida erroneamente como manifestação de opiniões e ideias pessoais.   Sociologia para a Mentalidade dos Direitos Humanos   N° de páginas: 88  julio 2014, O presente artigo é uma forma de cooperação junto aos atuais esforços da sociedade democrática em participar do programa mundial para a Educação em direitos humanos (WPHRE) . Tem por objetivo esboçar algumas linhas de reflexão sobre os conteúdos de sociologia e direitos humanos, para desenvolvimento em uma oficina de sociologia e em um curso de formação.  Visa a aplicação na questão da diferença em face dos temas ideológicos, a que examina sob os aspectos seguintes: (a) em torno do problema do individualismo no Século XX, em relação ao qual, erroneamente, alguns publicistas acusam a presumida ligação dos direitos humanos, em razão desses últimos, inicialmente, centrarem seu foco no indivíduo; (b) em referência ao impacto das técnicas de informação e comunicação – TICs, que não somente potencializam a indispensável liberdade de expressão, mas põem em relevo a difusão dos direitos humanos e suas violações. Obviamente, o método utilizado nesse trabalho é uma aplicação da sociologia, e consiste em situar a matéria no marco da realidade social e histórica. Nada obstante, essa orientação não significa privilegiar a conhecida classificação em três gerações de direitos humanos, preferida por muitos sociólogos, em detrimento do enfoque multidimensional. Pelo contrário. Desde o ponto de vista do pluralismo efetivo da realidade social, diferenciado em escalas, quadros sociais e procedimentos dialéticos, o aspecto multidimensional dos direitos humanos em sua interpenetração, afirmando-se uns pelos outros, não poderia permanecer em segundo plano.  A multidimensionalidade implica o elemento da solidariedade internacional, posto em foco pela terceira geração dos direitos humanos ao abranger os direitos que avançam mais além do âmbito civil e social. Ademais, conta, igualmente, o amplo espectro dos direitos grupais e coletivos, os quais, dentre outros, propugnam a consecução de um nível de vida adequado. Junto aos tópicos debatidos aqui, se observou que a era das tecnologias da informação e comunicação – TICs favorece a tendência para a retomada do utilitarismo, como doutrina de recorte moral, e que esse fato deve ser levado em conta como obstáculo no estudo dos direitos humanos desde o ponto de vista sociológico. Basta lembrar que, igualmente aos adeptos do atomismo, no utilitarismo prevalece a visão da sociedade feita unicamente de indivíduos para a realização de fins que são primariamente os fins individuais, o que leva a reencontrar a proposição conservadora de que “não há tal coisa como uma sociedade”, e, por extensão, nada do direito internacional à solidariedade .    Crítica aos Paradigmas de localização (Versión en lengua portuguesa) N° de páginas 95   Janeiro 2011 Lo que hace pasar desapercibido la indispensable de la dialéctica en sociología es la proliferación de estudios y teorías formalistas de papeles sociales, en las que prevalece la valorización del paradigma de Hobbes (Thomas Hobbes, 1588 -1679) para explicar las desigualdades sociales. Se dice equivocadamente que las posiciones están dotadas de soberanía: los hombres que las ocupan establecen la ley para sus súbditos y, en particular, ejercen el control de sanciones, es decir, la supuesta capacidad de garantizar la conformidad a la ley.Pelo contrario, según enseña Bachelard, las cualidades geométricas incluyendo la posición y la velocidad no tienen derecho alguno a ser llamadas cualidades primeras. Sólo hay cualidades secundarias, una vez que toda la calidad es solidaria de una relación (de incertidumbre).  De ese punto de vista, elaboramos sobre el hecho social comprobado de que, antes de ligarse a los papeles sociales, las expectativas (calidades) se ligan al esfuerzo colectivo (relación de incertidumbre), incluyendo en este último el histórico de las iniciativas, de los proyectos y métodos, de los intentos y de las propias realizaciones del grupo. Rescatamos la afirmación espontánea del equilibrio parcial entre las prerrogativas de unos y las obligaciones de otros, como foco de la vida del Derecho, que se incluye en las manifestaciones de la sociabilidad y en el consiguiente pluralismo social efectivo (la multiplicidad de los nosotros y de las relaciones con otros es irreductible ). Presentase como un dato empírico que derriba por tierra los axiomas logrados de la filosofía social de Hobbes.  Es decir, el pluralismo social efectivo como “sistema de frenos y contrapesos” se describe a partir de la constatación de que la realidad social es integrada. Esto significa que la afirmación espontánea del equilibrio parcial entre las prerrogativas de unos y las obligaciones de otros es una característica de la realidad social de los Nosotros, como manifestaciones concretas de la conciencia colectiva al nivel de la experiencia humana.   Declared divergence in the Spanish version for Article 21 of the Universal Declaration of Human Rights (2009)

  1. a) Ao contemplar unicamente as garantias para “la libertad del voto”, a versão espanhola restringe o objeto ao exercício da escolha, assim procedendo discrepa da fórmula original na medida em que mantem-se discreta perante o voto não-obrigatório ou facultativo e sua defesa. (b) Ao preceituar “free voting procedures”[“procedimientos de votación libre”] a fórmula original vai mais longe e, ademais de proteger igualmente as garantias para o exercício da escolha, sustenta a liberdade no ato de votar e desta forma contempla o voto não-obrigatório ou facultativo e sua defesa. 

  La Relevancia de la Sociología en el Enseño de los Derechos Humanos  La Relevancia de la Sociología en el Enseño de los Derechos Humanos N° de páginas: 159   Septiembre 2017 La obra que se presenta es la continuación del esfuerzo del autor para realizar, desde 2014, la integración de sus trabajos en la comprensión de la mentalidad de los derechos humanos, como mentalidad internacionalista o, precisamente, sin fronteras, cuya serie presenta los siguientes títulos ya publicados: Sociologia y Derechos Humanos: Introducción; El sociológico y el jurídico en el enseño de los derechos humanos; O Diferencial da Liberdade de Expressão; El Caracter Social Histórico de los Derechos Humanos.     A Democracia Eleitoral no Brasil: seis tópicos para um estudo de sociologia.   A Democracia Eleitoral no Brasil   N° de páginas: 98   Fevereiro 2014 A lei do voto obrigatório (forçado) no Brasil recusa aos que não votam muito mais do que os serviços  e os benefícios de programas governamentais e políticas públicas, aos limites dos quais, todavia,  deveria acoplar seu elenco de sanções, para preservar a especificidade de uma democracia eleitoral. Além de cercearem sua cidadania, restringem sua nacionalidade, pois não são unicamente os serviços de programas governamentais que lhes são cerceados aos que não votam, mas os próprios serviços básicos que o Estado presta à cidadania são restringidos. Assim, dentre outras, o indivíduo eleitor não votante é exposto às seguintes penas legais: impedimento para integrar os serviços públicos ou subvencionados; impedimento aos empresários para concorrências públicas; impedimento aos trabalhadores para obter empréstimos ou financiamentos da Caixa Econômica; impedimento aos cidadãos brasileiros para obter passaporte ou carteira de identidade; para renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial; praticar qualquer ato para o qual se exija quitação do serviço militar ou imposto de renda, (cf. Art.7 da lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965).    

Las Bases Sociológicas de la Positivación de los Derechos Humanos

Las Bases sociológicas de la Positivación de los Derechos Humanos N° de páginas: 62     Agosto 2015 El enfoque del análisis es que la positivación de los derechos humanos, por la acción protectora estatal, no debe ser representada en favor de una quimérica restauración de la catastrófica soberanía nacional exclusiva, la cual llevó a las deflagraciones del neo imperialismo, en el obscurecer del siglo XIX. Ese escrito es el fruto de una tentativa de relacionar el enseño de los derechos humanos con los estudios en sociología internacional. Su orientación tiene por resultado que abandonar el “estado-nación” como unidad de análisis sociológico, y evitar el “nacionalismo metodológico”, no es una consigna artificial sino una exigencia de la realidad social e histórica. El problema sociológico investigado en convergencia con los derechos humanos pone en relieve el pluralismo social efectivo y la variabilidad,como características favorables a la internacionalización de la sociología, y hace el teste de una conjetura explicativa sobre el desmembramiento de la soberanía del Estado Nacional en entornos capitalistas, ya señalada por Durkheim. Además, en el objeto mismo de ese trabajo, se lleva en cuenta que el legado de la época burguesa (siglos XVI al XIX) reenvía a un espacio público unilateralizado, correlato de la generalización de las necesidades. En consecuencia, una unidad de análisis como el Estado nacional se muestra muy figurativa y demasiado estricta, especialmente en una situación de globalización y de tecnologías de información y comunicación. Finalmente, el contenido aquí ofrecido ha sido desarrollado a partir de una comunicación al Congreso de la International Sociological Association –ISA en 2014   O Conhecimento na Realidade Social O Conhecimento na Realidade Social

N° de páginas: 93  Janeiro 2016

Esta pequena obra aplica a mirada diferencial, põe em relevo a consciência coletiva e contribui para superar o preconceito contrário a sociologia do conhecimento de que haveria uma estrutura lógica na base das sociedades.

Em face da confusão com a gestão dos arquivos eletrônicos, afirma o caráter humano do conhecimento de que fazemos a experiência nos debates, avaliações e reflexões dos temas coletivos reais, em vista de informar sobre as noções mínimas para a compreensão da nova sociologia do conhecimento.

  El Caracter Social Histórico de los Derechos HumanosEl Carácter Social Histórico de Los Derechos Humanos N° de páginas: 50   Noviembre 2015 El presente artículo busca poner en relieve la correlación de los derechos humanos con los cuadros sociales. Su punto de partida es justamente el problema de la distancia entre las proclamaciones de los derechos y la situación concreta.   A Sociologia dos Sistemas CognitivosA Sociologia dos Sistemas Cognitivos N° de páginas: 264, março 2017. A sociologia encontra-se em medida de oferecer um estudo científico do conhecimento bem mais completo do que não poderiam fazê-lo as orientações reducionistas. Nestas, deixa-se de lado o fato de que não há comunicação fora do psiquismo coletivo, de tal sorte que o estudo das operações lógicas na extensão das funções cerebrais, por exemplo, ao impor a redução imprópria da comunicabilidade, confronta-se à impossibilidade em esclarecer a ligação das operações lógicas ao conhecimento do qual fazemos a experiência, quando dialogamos e enuncia-mos juízos, avaliações, reflexões, temas. Em duas palavras: as orientações reducionistas deixam na sombra a ligação das operações lógicas e das funções cerebrais ao conhecimento humano. Não que o conhecimento de que fazemos a experiência humana seja refratário ao exame científico por não passar de mera ideologia. É equivocado confundir e reduzir os símbolos sociais ao domínio da ideologia, confusão já questionada em relação ao behaviorismo, cujas explicações do comportamento tomado à margem de toda a implicação simbólica conduzem às conclusões mais absurdas quando aplicadas às situações humanas e sociais. A variação do conhecimento em função dos quadros sociais pode ser verificada em modo empírico e constitui um critério científico seguro que dispõe a sociologia para verificar um conhecimento humano. Mas não é somente esse problema da verificação do conhecimento segundo critérios científicos que a sociologia soluciona. A crença de que qualquer tentativa em estudar o conhecimento para-além das simples funções lógicas e cerebrais careceria de alcance científico, atribuída às chamadas “ciências da cognição”, desconhece as teorias de consciência aberta, referidas e aplicadas no presente trabalho. Essas teorias são as mais eficazes para estudar as obras de civilização sem reducionismo, em correlações funcionais com os quadros sociais. Dessa forma, permitem tomar em conta, em sua efetividade, a totalidade infinita, como o faz a sociologia do conhecimento, com sua visão de conjuntos dinâmicos em vias de se fazerem.     O Tradicional na ModernizaçãoO Tradicional na Modernização Leituras sobre Ernst Bloch (Artigos de sociologia e história) Segunda Edição aperfeiçoada Setembro 2014 Internet, E-book Monográfico, 282 págs. Primeira Edição: Novembro 2008-Abril 2009, Web da OEI Publicação do Websitio Produção Leituras A reflexão histórico-filosófica é vista como sendo distanciada em relação às questões prementes da vida pública, em virtude do seu caráter não-representacional, embora seja uma atividade intelectual situada na realidade social. Ernst Bloch é um pensador célebre que expressa essa virtude [i]. Nada obstante, além de uma sociologia do legado rural tradicional na formação das classes sociais, a leitura de sua obra é interessante porque nos mostra a dimensão humana universal da Esperança histórico-filosófica que está por trás dos movimentos camponeses na formação do mundo moderno. Embora seja estudado em ligação com as conhecidas correntes intelectuais do Século Vinte influenciadas por dogmas materialistas ou marxistas [ii], Ernst Bloch é o pioneiro da relativização da dialética na crítica-histórica e, ainda na década de 1920, desenvolve em sua obra a compreensão da totalidade com vários níveis de realidade histórica ou de passado, designada no seu dizer a totalidade múltipla. Visamos pôr em relevo a vertente sociológica weberiana a que se liga e se contrapõe Ernst Bloch e centramos nossa leitura nas análises dialéticas em múltiplos níveis enfocando a crise então verificada na Alemanha. Assinalamos notadamente que, ao pesquisar o psi-quismo coletivo dos “de baixo”, Ernst Bloch chega à descoberta de uma orientação fenomenológica indispensável à crítica do processus de formação do mundo moderno, aportando novos conhecimentos sobre a problemática dos modos de produção pré-capitalistas, com esclarecimentos indispensáveis que, todavia, restaram pouco explorados [v] na pesquisa histórica. Em modo mais amplo, as observações de leitura reuni-das neste nosso trabalho contribuem para a reflexão do sociólogo sobre as linhas de pesquisa dialética alternativa ao legado de Max Weber, de que a obra de Ernst Bloch constitui inesgotável manancial.     Dialética e Consciência Coletiva: artigos de teoria sociológica, 2ª edição / / Nova Impressão, Fevereiro 2011/2014, 235 págs. A era das técnicas de informação faz ver que os problemas sociológicos não mais serão alcançados sem levar em conta o fato básico de que não há comunicação social fora do psiquismo coletivo. Quanto mais tais técnicas se afirmam maior é o peso do psiquismo coletivo como problema sociológico. Isto sem falar das tendências para a tecnificação do saber com seus esquemas prévios disseminando a estandardização sobre a consciência coletiva e os níveis culturais da realidade social. Desta forma, revela-se indispensável o estudo da dialética sociológica, em especial a aplicação da mirada diferencial ao problema da inserção da psicologia coletiva no âmbito da sociologia, para pôr em relevo a variabilidade e o pluralismo social efetivo. Nosso ponto de partida é o fim da competição entre psicologia e sociologia, já que as duas disciplinas vão buscar uma à outra os seus conceitos e a sua terminologia, incluindo as noções de expectativa, símbolo, mentalidade, atitude, papel social, ação, etc. Da mesma maneira, já foi proclamado o fim da oposição entre a psicologia coletiva e a psicologia individual, tendo sido afirmada a idéia de que o social penetra no psicopatológico, fato conseqüente não só para a psicologia patológica, mas igualmente para a psicologia fisiológica [1]. Quanto ao mais, cabe advertir que, examinando unicamente tal problema da inserção da psicologia coletiva na sociologia, esta obra monográfica é uma coletânea de artigos, portanto não está isenta de repetições. Rio de Janeiro, Fevereiro 2011 [1] Ver adiante neste livro o artigo Sociologia da Vida Psíquica.


  Dois Estudos sobre as Desigualdades Sociais  Novembro 2013, 137 págs.  

Apresentação

As desigualdades no capitalismo são frequentemente enfocadas sob um filtro onde se revela o forte caráter ideológico do neoliberalismo. Adotam um posicionamento de que somente poderia haver diminuição das desigualdades lá onde o suposto crescimento econômico (PIB) seja verificado. “Suposto” em razão de que as apostas em uma solução da crise pelo crescimento econômico em escala global são inverossímeis. Como sabem há uma tendência da consciência coletiva em favor de um bem-estar sem crescimento do consumo mercatório. Comenta-se, por exemplo, o caso do Japão que não cresce há quase 20 anos e tem elevado nível de qualidade de vida. Os economistas se perguntam se o país pode ser um modelo a ser adotado neste novo padrão que, em escala global, a sociedade precisará ter em face de uma crise sem perspectiva de solução pelo crescimento em escala global. Como é sabido, a estagnação da economia japonesa desde o estouro da bolha imobiliária por lá, pode ser vista como precursora das dificuldades que as demais economias avançadas enfrentam, desde a crise de 2008. Sem embargo, o fator importante para que o país tenha resistido relativamente bem à economia estagnada é atribuído não somente à homogeneidade cultural, mas, notadamente, ao baixo grau das desigualdades sociais. Essa tendência ao decrescimento e à possível substituição do PIB como medida da economia, por si sós, não garantem a ecologia, embora apontem na direção de uma redução de carbono na atmosfera. É aqui que entra a criação de um organismo global para defesa do meio ambiente. Com certeza, tal organização de escala poderá intervir não só para preparar a mudança de valores, mas para fomentar políticas de meio ambiente em todo o planeta. Mas não é tudo. Da mesma maneira em que a saída do capitalismo passa na ecologia política passa igualmente em especial na aplicação da informática em direção da emancipação do consumo. Tanto é assim que, em relação ao alcance da cultura digital na saída do capitalismo, André Gorz (1923 – 2007) observou que: “ Ce qui importe pour le moment, c’est que la principale force productive et la principale source de rentes [l’informatique et internet] tombent progressivement dans le domaine public et tendent vers la gratuité; que la propriété privée des moyens de production et donc le monopole de l’offre deviennent progressivement impossibles; que par conséquent l’emprise du capital sur la consommation se relâche et que celle-ci peut tendre à s’émanciper de l’offre marchande. Il s’agit là d’une rupture qui mine le capitalisme à sa base” (vide EcoRevRevue Critique d’Écologie Politique: Dossier Le travail dans la sortie du capitalisme, nº 28, 7 janvier 2008  http://ecorev.org/spip.php?article641  ) Em consequência, a orientação para limitar o estudo das desigualdades sociais ao âmbito do crescimento econômico local (PIB) faz com que o problema sociológico das desigualdades seja reduzido a um simples cálculo matemático sobre a medida relativa da proporção comparada de renda (revenu) entre os que vivem na opulência e os mais pobres (supondo que estes tenham renda proporcional para tal cálculo, isto é, salário mínimo proporcional ao crescimento local). Nessa representação, para que a diminuição tolerada da desigualdade seja calculada, torna-se logicamente necessária e socialmente perpétua a grave disparidade que contrapõe opulência e pobreza, sendo admitido, ademais, que, na baixa do (suposto) crescimento econômico capitalista local, os contrastes entre os poucos mais ricos e os pobres devem aumentar, e, nessa circunstância, nem se deve falar dessa matéria. No presente livro, se põe em relevo a diferenciação do psiquismo da estrutura de classes, como decorrência do fato de que a fetichização da mercadoria, do dinheiro, do capital, efetuando-se ao nível da economia, reage sobre a mediação constituída entre os interesses privados e o interesse geral, reage sobre o Estado como espaço público. O autor desenvolve a compreensão de que não há maneira de examinar as desigualdades sociais sem pôr em relevo o processo de unilateralização e a consequente supressão da reciprocidade que ligava os interesses privados e o interesse geral no espaço público. Neste sentido propõe uma aplicação original da teoria sociológica de Henri Lefebvre (1901 –1991) [i] . Os dois artigos aqui reunidos são preparatórios à comunicação original e inédita que, em vista de participar no Congresso Mundial de Sociologia em 2014, o autor ofereceu à International Sociological Association – ISA. Foram elaborados junto de Sociólogos sem Fronteiras Rio de Janeiro – SSF/ RIO < http://ssfrjbrforum.wordpress.com/ >. Foi preservada a versão em Espanhol do Artículo 02, originalmente concebido como prolongamento da Comunicação ao referido Congresso Mundial de Sociologia. Rio de Janeiro, Novembro 2013 Jacob (J.) Lumier [i] Cf. Lefebvre, Henri (1901 – 1991): “Psicologia das Classes Sociais“, in Gurvitch e al.: ‘Tratado de Sociologia – vol.2’, Porto, Iniciativas Editoriais, 1968, pp.505 a 538 (1ª edição: Paris, PUF, 1960).

 

 

Karl Marx e a Sociologia do Conhecimento2ª Edição ampliada-Ensaio (Artigos Críticos)

Fevereiro 2013, 146 págs. A sociologia do conhecimento ao longo do seu desenvolvimento trouxe consigo para dentro do campo sociológico a pesquisa em psicologia coletiva. Da mesma maneira em que a introdução do problema da consciência coletiva por Émile Durkheim (1858-1917) acentuou tal inserção da psicologia coletiva no âmbito da sociologia, a descoberta da realidade social por trás do fetichismo da mercadoria, conseguida por Karl Marx (1818-1883), trouxe à luz o problema da dialética das alienações e, com isto, consolidou a pesquisa em psicologia coletiva como aquisição sociológica. Além disso, o fato de que o mundo de realidade social ultrapassa qualquer imposição de condutas preestabelecidas constitui importante referência da sociologia diferencial [i] em face do controle capitalista. A visão mercatória da sociedade como constituída por indivíduos para a realização de fins que são primariamente fins individuais, cultivada no atomismo social e no utilitarismo, é contrária à sociologia.  Repugna a fragmentação da realidade social em uma poeira de indivíduos isolados, os quais, desprovidos de toda a ligação funcional de conjuntos, restariam meros suportes de comportamentos estandardizados. Finalmente, esta obra tem em vista contribuir para as leituras em sociologia diferencial, e leva em conta a vinculação aos direitos humanos sem distanciar-se do caráter empírico e sem subordinar-se às doutrinas jurídicas nem tornar axiomáticas as proposições explicativas. A primeira versão E-book deste trabalho, em 64 págs. é de 2009, na Web ISSU. [i] A respeito da orientação coercitiva da teoria política, não haverá exagero em lembrar sua proposição contrária à sociologia de que a sociedade se manteria unida pelo exercício da força do grupo dos que detêm o controle de sanções e a capacidade de garantir a conformidade à lei, isto é, impor a coação. É a chamada “solução hobbesiana para o problema hobbesiano da ordem”. Cf. Dahrendorf, Ralf (1929 – 2009): “Ensaios de Teoria da Sociedade” (Essays in the Theory of Society), Rio de Janeiro, Zahar – Edusp, 1974, 335 pp. (1ª Edição em Inglês, Stanford, EUA, 1968).       A Utopia do Saber Desencarnado Neste ensaio, anteriormente publicado na Internet em Setembro de 2008, integrado na Web de Sociólogos sem Fronteiras Rio de Janeiro – SSF/RIO [1] e posteriormente modificado, reúnem comentários críticos sobre o fato de que a sociologia do conhecimento é uma disciplina impotente para servir à utópica desalienação do saber no sentido anti-relativista pretendido por Marx, como “liberação de toda a relação entre conhecimento e quadro social”. Posicionamento esse que é todo o contrário da sociologia do conhecimento, cujo objeto acentua a variação do conhecimento em função dos quadros sociais. A desejada “liberação de toda a relação entre conhecimento e quadro social” não passa de uma pretensão que nada mais representa além de “uma utopia intelectualista do saber desencarnado”, que caracteriza o grave desvio da sociologia do conhecimento notado na obra de Karl Mannheim, colocado em perspectiva no presente trabalho. Para a leitura mais proveitosa desta obra, devem notar que completa o Curso de Sociologia do Conhecimento – Texto 05, cuja leitura pressupõe, juntamente com a leitura dos textos anteriores 01, 02, 03, 04. Cabe lembrar que em todo o presente Curso de Sociologia do Conhecimento a elaboração é desenvolvida com base em materiais discutidos em obras anteriores do autor, que devem ser lidas para tirar o devido proveito deste “Curso”, seguintes: (a) “Comunicação e Sociologia” – Artigos Críticos, 2ª Edição modificada, Madrid, Bubok, Junho 2011, 143 págs. [2]; (b) “Cultura e Consciência Coletiva – 2”, Junho 2009, e-book pdf 169 págs. [3], e (c) “Psicologia e Sociologia”, Fevereiro de 2008, e-book PDF 158 págs., as duas últimas publicadas na Web da Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura – OEI [4]. Em relação ao problema do espiritualismo ou teodiceia, que historicamente inclui o tema da história de Deus e sua justiça no mundo, e para mais informação sobre messianismo e milenarismo na história social é indispensável ler especialmente o e-book do autor intitulado “O Tradicional na Modernização: Leituras sobre Ernst Bloch, (Coletânea de Artigos), Maio de 2009, PDF 130 págs.(A4) http://www.oei.es/cienciayuniversidad/spip.php?article277 [1] http://ssfrjbrforum.wordpress.com/ [2] Comunicação e Sociologia” – Artigos Críticos, 2ª Edição modificada http://www.bubok.es/libros/191754/Comunicacao-e-Sociologia–artigos-criticos–2-edicao-modificada  Versão E-pub free. [3] “Cultura e Consciência Coletiva – 2” http://www.oei.es/cienciayuniversidad/spip.php?article388 [4] “Psicologia e Sociologia” http://www.oei.es/salactsi/lumier2.pdf       Curso de Sociologia do Conhecimento - Texto 01Curso de Sociologia do Conhecimento – Texto 01 Comentários críticos e Observações de leitura Junho 2013, 101 págs.  Apresentação   O Frisson (Crítica à abordagem utilitarista do conhecimento) Hoje em dia é comum supor que o conhecimento é aquela utilidade manuseada quando estão ao computador. Adentrar a internet adquiriu tal alcance que faz lembrar o frisson do filme em três dimensões dos anos cinquenta ou sessenta, quando as pessoas iam ao cinema para se maravilhar com a experiência dos óculos bicolores e se arrepiar com as imagens espacializadas que deles brotavam. Vê-se por aí que, cada vez mais, se imagina a efetividade do conhecimento pelo prisma da Web, como o quid emergente através dos portais da rede de redes. Adota-se a suposição improvável de que os juízos cognitivos puderam ser tratados como projeções para fora de seu quadro psicossociológico (as mentalidades) ou que, desse modo objetivados em esquemas que se cristalizam, puderam ser separados de toda a experiência apreendida e vivida. Permitem que a efetividade do conhecimento seja confundida aos standards. Quando não, é o mesmo frequentemente reduzido ao aspecto das habilidades e simplesmente manuseado como os próprios arquivos eletrônicos, que se podem administrar e gerir pelo exterior, como qualquer recurso industrial de que se manejam as engrenagens. Essa aproximação utilitarista do conhecimento pelo prisma da Web mostra-se tanto mais insinuante que a Era da Automatização e das Máquinas Eletrônicas dá primazia lógica ao conhecimento técnico em muito elevado grau, de sorte que, como protesta Georges Gurvitch [i], todas as outras manifestações do saber são influídas ao ponto de tecnificar-se tanto quanto possível, sujeitadas que são na projeção de habilidades e de competências.  

     Contra a corrente da tecnificação do saber, que impõe a primazia da lógica sobre os fatos sociais.

Posicionamento crítico justo em razão de que a união de conhecimento técnico e de conhecimento científico não se produziu efetivamente até o século XX, e somente no setor limitado da tecnologia, envolvendo o grau superior dos experts e dos engenheiros. O estudo da história das técnicas mostra que, no primórdio do capitalismo, os conhecimentos técnicos se desenvolvem não em função das descobertas científicas, mas diretamente nas manufaturas e nas fábricas. Em acordo com o aludido protesto de Gurvitch, e navegando contra aquela corrente da tecnificação do saber, que impõe a primazia da lógica sobre os fatos sociais, o sociólogo examina o conhecimento a partir da própria realidade social de conjunto, sem adotar a subordinação dos homens às máquinas e chamando a atenção para o fato irredutível de que, por trás dessa imagem de subordinação, há gêneros e formas diferenciadas do conhecimento variando com eficácia em função dos Nós (Nosotros), dos grupos, classes, sociedades globais. Como sabem, até mesmo os filósofos mais dogmáticos distinguem dois ou três gêneros do conhecimento: o conhecimento filosófico, o conhecimento científico e o conhecimento técnico, que, como classes do conhecimento, se impõe cada um como um quadro de referência, eliminando assim o dogma da validade universal dos juízos. Daí falarem das verdades do conhecimento técnico, as do conhecimento científico, as do conhecimento filosófico. Este Trabalho Neste trabalho, a elaboração tira proveito de obras anteriores do autor, seguintes: (a) “Comunicação e Sociologia” – Artigos Críticos, 2ª Edição modificada, Madrid, Bubok, Junho 2011, 143 págs.; (b) “Cultura e Consciência Coletiva – 2” (Junho 2009, e-book pdf 169 págs.)[ii], e (c) “Psicologia e Sociologia” (Fevereiro de 2008, e-book pdf 158 págs.) as duas últimas publicadas na Web da Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura – OEI [iii]. O propósito agasalhado na presente obra visa contribuir com a revalorização pedagógica da colocação do conhecimento em perspectiva sociológica, mediante comentários críticos e observações de leitura e interpretação de bibliografia. Ao longo dos Textos planejados serão examinados os resultados conseguidos por alguns autores do século vinte muito pertinentes no histórico da sociologia, especialmente em vista de equacionar e solucionar o problema do coeficiente existencial do conhecimento e os tipos de sistemas cognitivos. Além disso, ao longo da sequência de textos que compõe o plano adotado na parte final deste Texto – 1, grande parte dos comentários reunidos na obra planejada versa sobre o posicionamento dos opositores da disciplina e, em contrapartida, sobre a crítica ao preconceito contra a sociologia do conhecimento. Finalmente, a elaboração da obra se faz em volta de quatro eixos principais seguintes:

  • o problema sociológico do impacto da tecnificação;
  • a indispensabilidade da psicologia coletiva nos estudos sobre o conhecimento;
  • a constatação das variações do saber como fato positivo;
  • Caráter igualmente positivo da influência dos simbolismos sociais e mitologias.

Esperam que as informações, análises e os conteúdos sociológicos resultantes deste ensaio despertem no leitor benevolente maior interesse para prosseguir suas incursões nessa disciplina desafiadora que é a sociologia e, ao chegar no final deste livro, encontre ele na orientação diferencial aqui desenvolvida um caminho de reflexão consistente para contra arrestar os efeitos atomizadores das posições estranhas à defesa da sociabilidade humana.   [i] Gurvitch, Georges (1894-1965): “Problemas de Sociologia do Conhecimento”, in Gurvitch et al.:  “Tratado de Sociologia”, Vol. II, revisão: Alberto Ferreira, Porto, Iniciativas Editoriais, 1968, pp.145 a 189 (1ª edição em Francês: Paris, PUF, 1960). [ii] “Cultura e Consciência Coletiva – 2” http://www.oei.es/cienciayuniversidad/spip.php?article388 [iii] “Psicologia e Sociologia” http://www.oei.es/salactsi/lumier2.pdf     Curso de Sociologia do Conhecimento – Texto 02Curso de Sociologia do Conhecimento – Texto 02 N° de páginas: 133 –  Agosto 2013

Epígrafe

O caminho do ensino permanece um caminho de pensamento sempre efetivo porquanto alimentado pela polêmica da prova. O espírito científico não repousa sobre crenças, sobre elementos estáticos, sobre axiomas não discutidos. A crença no determinismo não está na base de todos os pensamentos, fora de toda a discussão. Pelo contrário, o determinismo é precisamente o objeto de uma discussão, assunto de uma polêmica quase diária na atividade do laboratório. Bachelard: “O Novo Espírito Científico”.

Apresentação

A matéria deste trabalho é a crítica a certos efeitos subordinantes da tecnificação do saber, tomada esta como aspecto da estrutura de classes. Elabora em especial uma crítica sociológica aplicada em oposição à primazia da lógica sobre a consciência coletiva, já preliminarmente comentada no final do Texto 01 desta obra em seis textos[1] . [1] Para melhor compreensão deste trabalho, tecle aqui, baixe grátis e leia  em versão e-pub o texto 01.         Curso de Sociologia do Conhecimento – Texto 03Curso de Sociologia do Conhecimento – Texto 03 Novembro 2013 – 126 págs.     Apresentação O relativismo sociológico é dialético e exige um esforço para ser adequadamente explicitado em sua complexidade devido ao problema do falso saber. Algumas vezes, por exemplo, em razão de não atribuir valor ao conhecimento nem o justificar, a sociologia do conhecimento é rotulada equivocadamente como ceticismo e nihilismo, supostamente voltada para invalidar todo o saber ou diminuir o seu valor. Verão neste ensaio que, seguindo o ensinamento de Georges Gurvitch (1894-1965) e ao contrário de seus opositores, a sociologia estuda o conhecimento em sua efetividade como regulamentação social, em conjunto com as demais obras de civilização como o direito, a moral, a educação e, neste marco, questiona as pré-conceituações e o dogmatismo metodológico. Além disso, a sociologia oferece como contribuição à epistemologia suas pesquisas sobre as variações do papel efetivo do saber nos diferentes tipos de estruturas sociais.  Seu instrumental operativo de análise e explicação não implica projetar uma epistemologia própria, nem atribuição prévia de valor, mas é elaborado com o método dialético e repele qualquer juízo filosófico prévio à análise. Em consequência, não há cabimento em rotular a sociologia do conhecimento. Sem embargo, no estudo dos coeficientes pragmáticos, o sociólogo descobre o problema da veracidade ou não de uma multiplicidade quase infinita de perspectivas do conhecimento”, “ideológicas”, “utópicas”, “mitológicas”, etc., diferenciadas entre o saber meramente adequado (falso saber, reflexo dos papéis sociais) e o seu quadro social. Só a epistemologia dirá se tais perspectivas são igualmente válidas, ou se algumas delas o são menos que outras e poderiam designar-se “má interpretação”. O presente trabalho introduz o estudo dos coeficientes pragmáticos do conhecimento; situa os aspectos do falso saber, suas implicações inclusive no psiquismo da estrutura de classes, e põe em relevo que, antes de vincular-se a uma epistemologia, a sociologia tem por indispensável a dialética complexa, cujos procedimentos lhe são imprescindíveis. Finalmente, o aproveitamento deste trabalho tem por pressuposto a leitura dos Textos 01 e 02 do atual Curso de Sociologia. Rio de Janeiro, 18 de Outubro 2013 Jacob (J.) Lumier Sumário Epígrafe  7 Apresentação  9 INTRODUÇÃO  15 Sociologia e Relativismo  15 Dialética experimental e relativista  15 O elemento especulativo  18 As especulações arriscadas  20 O conhecimento em correlações  22 PARTE 01  27 Falso saber e conhecimento espontâneo  27 Conhecimento espontâneo  29 O saber pode repetir-se  30 Ambiguidade da função simbólica  30 Os tempos sociais múltiplos  32 Visões de mundo e sociologia  32 O culturalismo abstrato  35 Os tipos ideais weberianos  37 A orientação de teoria dinâmica  39 O primeiro aspecto do método sociológico  39 O segundo aspecto do método sociológico  41 Problema dos tipos sociológicos  41 A objeção dos leigos  42 Hermenêutica extra-sociológica  42 Competência da sociologia  43 O teórico e o pragmático  44 O desvio contínuo do conceitual 46 Os opositores da sociologia  47 A suposta “orientação radical” 52 Planejamento da pesquisa científica  56 Má Interpretação e Falso saber 57 A incompreensão do público  61 PARTE 2  65 O Falso Saber e o Psiquismo da Estrutura de Classes  65 Um processo de unilateralização  66 As Três dimensões do Psiquismo  67 Falso saber e personificação do capital 71 A imanência recíproca  72 A Imitação e as Relações com Outrem   75 Os fenômenos da psicologia coletiva  77 Uma crença sociológica  80 Ciência dos Costumes e Sociologia  83 Uma metamoral semi-sociológica  86 Realismo de Saint-Simon  87 Liberdade humana  90 O princípio de obediência à ordem   92 O Relativismo Sociológico -2  94 A Sociologia de Karl Marx  98 Epistemologia e Sociologia  100 Os sistemas cognitivos  103 Notas de Fim   111       Karl Marx e a Sociologia do Conhecimento - 2ª edição ampliadaKarl Marx e a Sociologia do Conhecimento – 2ª edição ampliada

Ensaio (Artigos Críticos)  –  Fevereiro 2013, 146 págs.

A sociologia faz compreender que as expectativas de papéis sociais são realidades objetivas complexas e variadas que aí estão em dinâmicas coletivas de avaliação. Implicam o conhecimento, a moral, o direito, a educação, etc. como ou regulamentações sociais [i], cujas sedes focam-se em tipos diferentes e conflitantes de agrupamentos, classes e sociedades globais. Da mesma maneira, vale a afirmação espontânea do equilíbrio parcial (incerto) entre as prerrogativas de uns e as obrigações de outros, como foco da vida do Direito, que se inclui nas manifestações da sociabilidade e no consequente pluralismo social efetivo (a multiplicidade dos Nós e a variedade das relações com outrem é irredutível), como um dado empírico que derruba por terra os axiomas dos formalistas, que separam análise estrutural e análise histórica. O pluralismo social efetivo como “sistema de freios e contrapesos” [ii] e como dialética complexa se descreve a partir da constatação de que a realidade social é integrada. Isto significa que a afirmação espontânea do equilíbrio parcial entre as prerrogativas de uns e as obrigações de outros, expressa uma reciprocidade característica da realidade social dos Nós, como manifestações concretas da consciência coletiva, apreendida ao nível da experiência humana [iii], tanto coletiva quanto individualmente. Ou seja, não há polos heterogêneos na realidade que não sejam relativos, toda a polarização dos contrários, dos contraditórios ou até antagônicos revela-se dialética, intermediada ou interpenetrada. Por mais que sejam polarizadas, as antinomias guardam um setor intermediado e não chegam a romper totalmente a reciprocidade de perspectiva. A exasperação em polarização constitui o limite mais extremado para além do qual a realidade social torna-se abissal [iv]. Esta obra tem em vista contribuir para as leituras em sociologia diferencial, e leva em conta a vinculação aos direitos humanos sem distanciar-se do caráter empírico e sem subordinar-se às doutrinas jurídicas nem tornar axiomáticas as proposições explicativas. [i] Ao invés de regulamentações sociais, alguns autores exagerados preferem o termo “controles”, aqui reservado especialmente para o controle capitalista, que favorece o elemento de vigilância característico do termo “controle” em sentido estrito. As regulamentações sociais tomam parte na realidade social, haja vista, por exemplo, que, no plano do conhecimento ou da linguagem, os agrupamentos sociais adotam, com maior ou menor exigência, certas maneiras de falar e de pensar. Sem embargo, fala-se de controle social no âmbito das políticas públicas para designar a fiscalização dos administradores pela população das bases sociais. [ii] Na mesma medida em que viabiliza a funcionalidade das políticas públicas como ação de integração social, será este equilíbrio dinâmico entre as prerrogativas de uns e as obrigações de outros que o sistema de freios e contrapesos como conceito de técnica constitucional visa configurar em sua aplicação ao pluralismo mais concreto dos agrupamentos particulares em suas disputas de interesses no âmbito da história parlamentar. [iii] Gurvitch, Georges (1894-1965): “Dialectique et Sociologie“, op.cit. [iv] Na medida em que indicam uma exasperada polarização que tende para a heterogeneidade, a disparidade de opulência e pobreza não tem lugar na realidade social.       Materiais para Debates de SociologiaMateriais para Debates de Sociologia N° de páginas: 39  –  Março de 2012 Plano do documento: (A)􀉼Linhas básicas das oficinas (B) 􀉼Linhas básicas para a Sugestão de tema nº01 (C)􀅹Linhas básicas do Texto subsídio ao Tema 01 (D)􀅹Textos (D.1)􀅹Texto completo em subsídio ao Tema 01       Material para Palestra de sociologia – Painel da MatériaMaterial para Palestra de Sociologia Abril 2012 – N° de páginas: 64 Depois que Margaret Thatcher questionou o modelo de Bem-Estar, no contexto da queda do muro de Berlim, inaugurando os anos noventa, e sustentou que se deve proteger o sistema financeiro e não os direitos sociais difundiu-se muito a retórica neoliberal de que a sociedade não existe, mas só há mercado. Essa retórica não somente valoriza o antigo atomismo social como filosofia que reduz a sociedade a uma coleção de indivíduos sem ligação funcional, mas pendura essa filosofia às expectativas de mercado. Em face das concepções atomistas em certas disciplinas psicológicas, a palestra em pauta visa esclarecer que o indivíduo e as relações humanas e sociais não são identificados ao sistema nem ao mercado; não se reduzem à busca de vantagem diferencial que caracteriza o mercado e a hierarquia das desigualdades de posição econômica.     A Utopia Negativa-2ª edição modificadaA Utopia Negativa-2ª edição modificada A UTOPIA NEGATIVA: Leituras de Sociologia da Literatura Ensaio – 2ª edição modificada Nº de páginas: 157 –  Fevereiro 2012 Apresentação  Esta obra é uma coletânea de artigos expondo leituras de sociologia da literatura do século vinte, com referencia aos diversos aspectos do individualismo, notadamente o modelo da era liberal. O problema da objetividade literária é discutido mediante comentários sobre as linhas básicas da evolução histórica e da situação do romance moderno em sua ambiguidade, como técnica de comunicação. Da mesma maneira, se descrevem as variações composicionais mais significativas do elemento personagem, da relação com o leitor e, notadamente, a posição do narrador que, por diferença do realismo literário do século XIX, não mais possui a experiência do conteúdo a ser narrado. Neste marco, o autor aprecia as contribuições de Lucien Goldmann e Nathalie Sarraute. Em outra seção, no miolo deste livro, comentando o futurismo e a Utopia Negativa é revisitada a crítica da cultura de T. W. Adorno, em vista notadamente de situar a arte de Proust, como ponto de referência para a desmontagem da ideologia do futurismo, tal como este se projeta da ficção de Aldous Huxley. Representação do mundo administrado da comunicação social, a fantasia futurista do “Brave New World” nada mais consegue do que figurar os prolongamentos de linhas já existentes na civilização técnica, compondo, então, nesses prolongamentos do Sempre Igual da produção em massa, uma montagem com a ideologia, que se afirma inseparável da utopia negativa (isto é, um futuro onde o déjà-vu coletivo se prolonga indefinidamente). Daí a orientação da sociologia crítica da cultura para desarticular os dispositivos ideológicos e, desta forma, vislumbrar os horizontes da nova sociedade no futurismo. O propósito do autor foi produzir um livro prestante para a formação em comunicação social e sociologia. A primeira edição deste trabalho foi publicada junto à Universidade de Málaga, Espanha [A Utopia Negativa, ISBN-13: 978-84-693-6125-2 nº de Registro: 10/89770, Setembro de 2010.]. O texto original passou por aperfeiçoamentos e algumas notas foram acrescentadas a esta segunda edição.   Crise do Romance e IndividualismoCrise do Romance e Individualismo Crise do Romance e Individualismo: A Estandardização Como Fator da “Montage” Em T. W. Adorno Artigo de Sociologia – Novembro 2011, 37 págs. Este artigo é a versão modificada do capítulo homônimo que integra a primeira edição de minha obra “A Utopia Negativa”, publicada junto à Universidade de Málaga (Es). Apresentação A crítica da cultura se defronta ao fenômeno da estandardização, o Sempre Igual da produção em massa, como marca do mundo administrado, em que se impõe a relação de comunicação social e se torna bloqueado o quid especial e particular indispensável à narrativa romanesca. A crise da objetividade literária, a impossibilidade em narrar algo especial e particular deve ser examinada como supressão do objeto do romance em face da reportagem. O narrador romanesco não mais possui a experiência: as peripécias e as aventuras se generalizaram, já são conhecidas. A literatura teria alcançado uma objetividade bem diferente dos realistas do século XIX, como Balzac ou Stendhal. O novo romance do século XX se teria voltado para dar expressão a um estado penetrado pelo sentimento de ausência dos valores essenciais, como elementos necessários à crítica social. Rio de Janeiro, 12 de Novembro de 2011 Jacob (J.) Lumier       Comunicação e Sociologia – artigos críticos / 2ª edição modificadaComunicação e Sociologia - artigos críticos / 2ª edição modificada “Comunicação e Sociologia” – Artigos Críticos 2 ª Edição modificada, Junho 2011, 143 págs Apresentação O sociólogo desempenha uma profissão regulamentada que contempla o ensino, a pesquisa e o serviço prestado aos programas sociais, às empresas ou às ONGs. Os fundadores desta disciplina ensinaram o interesse das questões públicas, dimensionando-as como indispensáveis para compreender a consciência colet iva, cuja extensão não cessa de crescer na era da globalização e das técnicas de informação e comunicação. A sociologia é uma profissão e uma disciplina cient ífica, e pode ser assim dupla em virtude de sua mirada próatuação. Daí a demanda por um ensino crítico, já que a teoria sociológica é determinista ou explicativa, e não se funda em axiomas nem é subordinada às doutrinas filosóficas ou jurídicas. Nos artigos aqui reunidos são reafirmados e desenvolvidos além da mirada crítica, os postulados realistas básicos de que: (a) nenhuma comunicação pode ter lugar fora do psiquismo coletivo; (b) todo o conhecimento é comunicável mediante os mais diversos símbolos sociais; (c) a língua não é senão um meio para reforçar a interpenetração e a participação em um Nós. A primeira edição deste trabalho foi difundida na Web da OEI. Embora alguns artigos tenham sido substituídos na presente edição, preservei os que tratam do utilitarismo. Jacob J. Lumier – Junho de 2011     A Moral do Artista: Leitura de Proust“A Moral do Artista: Leitura de Proust” (Uma Abordagem Inspirada em Samuel Beckett) Ensaio, Setembro 2010, 132 págs. Apresentação Este ensaio tem orientação sociológica e visa contribuir para a revalorização da literatura e arte de avant-garde do século vinte, tomando como inspiração a abordagem estética desenvolvida por Samuel Bec-kett em seu opúsculo “Proust” 1. O sociólogo Lucien Goldmann assinala que a crise da objetividade literária verificada com o esgotamento do romance realista do século XIX se reflete nos escritores de avant-garde, que exprimiriam não os valores realizados ou realizáveis, mas a impossibilidade em formular ou perceber valores aceitáveis em nome dos quais pudessem dar figura poética a uma crítica da sociedade. O tema da ausência estaria na base do romance da an-gústia diante de um mundo absurdo e incompreensível (Kafka, Sartre, Camus, incluindo os autores de avant-garde dos anos 60: Ionesco, Beckett, Nathalie Sarraute, Margueri-te Duras, Alain Robbe-Grillet…). O caráter de voyeur (espectador anônimo) assumido pro-gressivamente pelos indivíduos na sociedade industrial mo-derna, levando ao mundo administrado da comunicação soci-al – o “Sempre Igual”, como dirá T. W. Adorno – constitui a grande transformação social e humana surgida com as auto-regulações do capitalismo organizado 2, incluindo a passividade crescente, fenômenos de reificação que o sociólogo do século vinte examina como processus psicossociológico. Deixando de lado em suas obras a comparação com os romances de Balzac, como marco de referência preferido pelos historiadores acadêmicos da literatura, Goldmann constatou que o tema da ausência tem origem em Marcel Proust, cuja obra romanesca era considerada não-crítica nem de avant-garde, e, desta forma, o sociólogo lançou as bases para a revalorização das leituras propostas no hori-zonte da avant-garde, como a abordagem desenvolvida por Samuel Beckett, que ora ensaiamos de expor aqui 3. ►Palavras-chave: arte, artista, experiência extática, indivíduo, individuação, memória, monólogo, personagem, narrador, realidade, sentimento, desejo, tragédia, sofrimento, personalidade, moral, estética filosófica. Jacob (J.) Lumier –Setembro 2010 Notas 1 Beckett, Samuel: “Proust”, Londres, Evergreen Books, 1931. (versão em espanhol). Publicado posteriormente por Grove Press Inc., New York. 2 Desde os anos 40 / 50 deixou de existir definitivamente o mercado da economia liberal, que cedeu lugar ao papel regulador do Estado através de políticas econômicas, inclusive com políticas de incentivo ao investimento (“Livre Mercado”), associadas ao fortalecimento de organismos multilaterais de cooperação comercial, a exemplo da OCDE.Quando se fala em regulação do capitalismo em sentido geral tem-se em vista os esforços para evitar agravamento das crises: política fiscal (keyne-sianismo), política cambiária, sistema e regulação financeira, sistema de bancos centrais (política monetária), basicamente. O Federal Reserve Bank dos EUA, primeiro Banco Central, foi criado em 1913 (na sequência da crise de 1907, semelhante à grande depressão dos anos de 1930), dando início ao Federal Reserve System, foco da política monetária das nações, que possibilitou a reconstrução mundial após 1945. 3 Cf. Goldmann,Lucien: “Pour une Sociologie du Roman”, Paris, Gallimard, 1964.   A Ideologia do Existente na Leitura de Montanha MágicaA Ideologia do Existente

A Ideologia do Existente – na Leitura de Montanha Mágica de Thomas Mann Ensaio de sociologia da literatura Certos leitores de Thomas Mann e outros intérpretes da vida intelectual dos anos de 1920 já assinalaram a crítica do ambiente urbano-industrial tornado inóspito como traçado original de Montanha Mágica. Todavia, nem todos gostariam de reconhecer no Thomas Mann romancista da classe burguesa um precursor ou mais ainda pioneiro da consciência ambientalista, muito menos o protótipo de um ecologista militante. Neste ensaio de sociologia da literatura, observo (a) a divergência entre os críticos marxistas Lukacs e Ernst Bloch; (b)- as linhas básicas da evolução histórica e da situação do romance moderno, em sua ambiguidade, como técnica de comunicação (c)- as variações da posição do narrador, do elemento personagem, e da relação com o leitor.

 

300 págs, Abril 2018     Fronteiras de Sociologia: Três Artigos (obra em Colaboração)Fronteiras de Sociologia: Três Artigos Fronteiras de Sociologia: Três artigos Organizadora: Roser Ribas Cistero Autores: Jacob (J.) Lumier, Maria Olinda Luz, Montserrat M. L. Cobo Fevereiro 2016,193págs. Publicações de SSF/RIO APRESENTAÇÃO Os três artigos reunidos neste pequeno volume refletem preocupações atuais de estudo e pesquisa no vasto horizonte da sociologia. O primeiro, firmado por Jacob J. Lumier, trata aspectos da sociologia do conhecimento, é abrangente e foi preparado em 2014, por ocasião do segundo ano de expressão de Sociólogos sem Fronteiras Rio de Janeiro – SSF/RIO. É a versão modificada de trabalho anteriormente divulgado na Web da Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación la Ciencia y la Cultura – OEI. O segundo, firmado por Maria Olinda Luz, aborda problema de interesse para a sociologia das organizações complexas, é a versão atualizada do artigo publicado junto ao X Congresso Nacional de Excelência em Gestão, e examina a inteligência emocional como habilidade a ser aprimorada. O terceiro, firmado por Montserrat M. L. Cobo, tem alcance na área de sociologia dos museus, é a versão modificada de uma monografia da UNIRIO sobre o ambiente histórico legado da Monarquia no Rio de Janeiro, e aborda com riqueza de detalhes o estudo da Praça XV de Novembro, como sitio museológico. Os autores são membros de Sociólogos sem Fronteiras Rio de Janeiro – SSF/RIO e cultivam o propósito de propiciar atividades pedagógicas e o compromisso com os direitos humanos. SSF / RIO Dezembro de 2015 Roser R. Cistero e Jacob J. Lumier   ****************************************************************************************************   Links para obras de Jacob J. Lumier na OEI – Download free Obras relacionadas en la Biblioteca Digital Por nombre de autor http://www.oei.es/historico/oei-credi/index.php/materias/lista/65   →Cultura e consciência colectiva : leituras saint-simonianas de teoria sociológica : ensaio de sociologia Lumier, Jacob; Sociedad del conocimientoSociología – →Direitos humanos e direitos sociales : observações sociológicas para o altermundialismo Lumier, Jacob; GlobalizaciónSociedad del conocimientoDerechos humanosSociología – →Cultura e consciência colectiva 2 : ensaio de sociología Lumier, Jacob; SociologíaSociedad del conocimiento – →A microssociologia contra a tecnificação e o psicologismo Lumier, Jacob; Ciencia, tecnología y sociedadSociología – →Técnica, tecnificação : sociología do conhecimento Lumier, Jacob; Ciencia, tecnología y sociedadSociología – →Crítica da cultura e comunicação social : a análise do tradicional na modernização www.oei.es/historico/cienciayuniversidad/spip.php?article18 Lumier, Jacob; Ciencia, tecnología y sociedadSociología – →Tópicos para uma reflexão sobre a teoria de comunicação social : (relações entre tecnologias da informação e sociedades) Ciencia, tecnología y sociedadSociedad de la información – ***   A Sociologia dos Sistemas Cognitivos. Jacob (J.) Lumier http://www.oei.es/historico/cienciayuniversidad/spip.php?article7434   Jacob (J.) Lumier Comunicação e Sociologia http://www.oei.es/historico/cienciayuniversidad/spip.php?article1465 (13 de octubre de 2010)   Lumier, Jacob (J.) O Tradicional na Modernização: Leituras sobre Ernst Bloch www.oei.es/historico/cienciayuniversidad/spip.php?article277 (17 may 2009)   O Conhecimento na Realidade Social. Lumier, Jacob (J) http://www.oei.es/historico/cienciayuniversidad/spip.php?article6374     Subjetividad y Laicización  

Formato de archivo: PDF/Adobe Acrobat Leituras do Século XX https://leiturasjlumierautor.pro.br. Valores para la Ficha de catálogo. Lumier, Jacob (J) [1948]:. Subjetividad y Laicización. El problema de la subjetividad colectiva y la experiencia de la laicización bajo análisis sociológica. Artículos de Sociología. 2ª edición perfeccionada. License Creative Commons.

    Las bases sociológicas de la positivación de los derechos humanos http://www.oei.es/salactsi/Lumier2015.pdf

Formato de archivo: PDF/Adobe Acrobat Los derechos humanos. – Jacob (J.) Lumier. 4. SSF-RIO Fórum de Sociologia < http://ssfrjbrforum.wordpress.com/. Las bases sociológicas de la positivación de los derechos humanos: una mirada para sustituir los temas ideológicos. Autor: Jacob J. Lumier. Editor: Bubok Publishing S.L.. – Madrid, España. Depósito Legal :.

  Psicologia e Sociologia: o sociólogo como profissional das ciências … http://www.oei.es/historico/salactsi/lumier2.pdf

Formato de archivo: PDF/Adobe Acrobat Jacob (J.) Lumier. S U M Á R I O. O Sociólogo e a sociologia da sociologia – pág. 11. Estrutura Social e Consciência Coletiva: Descobrindo a psicologia coletiva na sociologia – pág. 59. Introdução à Sociologia da Vida Psíquica – Primeira Parte: A análise crítica das contribuições de Émile Durkheim – pág. 75. Introdução à …

  TÓPICOS PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A TEORIA DE … http://www.oei.es/historico/salactsi/topicos.pdf

Formato de archivo: PDF/Adobe Acrobat JACOB (J.) LUMIER. Membro da Internet Society-isoc. <http://www. leiturasjlumierautor.pro.br> leiturasjlumierautor@leiturasjlumierautor.pro.br. EMENTA. A teoria de comunicação social tem se caracterizado por refletir as situações da indústria cultural no âmbito da sociedade de informação. Aprofundando nas tecnologias …

  Divulgação Científica http://www.oei.es/historico/cienciayuniversidad/spip.php?article366

25 Jun 2009 Enviado por Jacob (J.) Lumier el 24 de junio de 2009 al Foro del Espacio Iberoamericano del Conocimiento en el marco de Metas Educativas 2021. Divulgação Científica = Em relação à divulgação científica, há como se sabe uma orientação que visa não só a possibilidade de acesso e a aquisição da …

  Outras relações de obras: https://leiturasociologica.wordpress.com/about/  ************* Blog  OBRAS DE JACOB (J.) LUMIER

Website para o ensino de sociologia e os conhecimentos universitários

https://chezjacob2.wordpress.com/ ****************

https://jl-praxis.blogspot.com.br/ *******************

Advertisements