Apresentação do e-Book Cultura e Consciência Coletiva

Ícone+legenda SSF_RIOpeq

CULTURA E CONSCIÊNCIA COLETIVA:
Leituras Saint-simonianas de Teoria Sociológica – por Jacob (J.) Lumier
http://www.oei.es/salactsi/lumier.pdf

***

APRESENTAÇÃO
Ao comunicar sobre a sociologia o sociólogo faz algo mais do que um paper de universidade. Sua aproximação da matéria inclui a mais do caráter desinteressado do conhecimento científico uma mirada vinculada à prática profissional. Desta sorte produz textos sociológicos, elaborações sobre a realidade social que aportam não só os resultados da sociologia que faz, mas igualmente revelam os procedimentos em vias de fazer.

Há uma indispensabilidade em produzir texto sociológico para a prática do sociólogo, na qual os resultados levam aos procedimentos e vice-versa ultrapassando a sugestão epistemológica de estabelecer um hiato entre contexto da descoberta e contexto da justificação.

Esta obra mostra que o estudo histórico da sociologia revela- se uma pesquisa de sociologia dos quadros operativos da teoria sociológica e constitui a continuação do nosso e-book Leitura da Teoria de Comunicação desde o ponto de vista da Sociologia do Conhecimento, publicado na Biblioteca Virtual de Ciencia, Tecnología, Sociedad e Innovación, junto ao Programa Sala de Lectura CTS+I, da O.E.I.(Organización de Estados Iberoamericanos).

Elaboramos pela revalorização pedagógica da colocação do conhecimento em perspectiva sociológica, orientação esta atualmente solicitada para contrarrestar a filosofia abstrata das ciências cognitivas: para o sociólogo não há comunicação fora do psiquismo coletivo.
[Se o mundo como significado foi transposto pela modernização “a uma distância muito vaga” das vidas das pessoas não se pode deixar aí passar inteiramente despercebido que a autonomia do significado em relação ao significante em contexto de dependência de um grupo, classe ou sociedade global configura a criação de ligações com o próprio significado autônomo, expressando não o Outro imaginário do entendimento abstrato da alteridade, mas desde o ponto de vista do contexto de realidade social expressando as relações com outrem.]
Entendendo que a linguagem humana exige uma união prévia, seguimos o realismo de Georges Gurvitch em relação ao interesse, alcance e especificidade da teoria sociológica distinguindo sem separar os elementos históricos e os elementos pouco ou não-históricos da realidade social. Desta sorte, aprofun damos a sociologia diferencial e a dialética acentuando o ponto de vista da autonomia relativa dos grupos em relação às classes e às sociedades globais por desenvolvimento da microssociologia e do pluralismo social efetivo. Entende-se, portanto, que o subtítulo deste ensaio como Leituras Saint-Simonianas visa acentuar que a sociologia é ciência dos determinismos sociais e que suas raízes estão plantadas na sociedade industrial.

Quanto ao nosso estilo, contrariando as sugestões editoriais de que os escritos com disciplina científica devem ser impessoais, utilizamos a primeira pessoa do plural para afirmar a vontade de valor ou de verdade. [Repelimos o paradoxo em se ignorar nos seres do passado a vontade de valor ou de verdade, lembrando que Raymond Aron sublinha a separação radical do fato e dos valores em Max Weber como limitando erroneamente a compreensão da conduta individual unicamente na referência das ideias de valor. Por contra, criando hermenêutica weberiana em um dos seus primeiros ensaios marcantes, sustenta esse estudioso que se tal concepção excluindo a vontade de valor ou de verdade fosse admitida não se teria o critério para diferenciar entre uma obra de filosofia como a “Crítica da Razão Pura” de Kant e as imaginações delirantes de um paranóico, já que ambas seriam colocadas no mesmo plano. Ver Aron, Raymond: Introduction à la Philosophie de l’Histoire (Paris, Gallimard).]

***

Rio de Janeiro, Dezembro 2007.

Libro sobre Pluralismo – Presentación

Tecle en esa portada para accesar el eBook free.

Las bases del Pluralismo Social en el Psiquismo Colectivo

Ícone+legenda SSF_RIOpeq

 

 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/

***

Este artículo Las bases del Pluralismo Social en el Psiquismo Colectivo tiene su versión preparatoria ya publicada en libro [i]. Es un estudio sociológico sobre la experiencia pluralista como referencia en la crítica de las desigualdades y en la psicología colectiva de las clases sociales.

Se trata del primer desarrollo del trabajo ofrecido a la International Sociological Association – ISA en el marco del XVIII World Sociology Congress – July 2014. El objetivo del autor es ofrecer una visión más completa de los elementos de teoría sociológica articulados en el dicho paper, cuyo título original es La sociología en la universalización de los derechos humanos y sociales a través de la deconstrucción de las desigualdades.

Teniendo como presuposición el contenido de ese paper, el presente artículo pone en relieve el análisis del psiquismo de la estructura de clases a partir del siguiente abordaje: en una sociedad que se reproduce con base en las desigualdades, y los intermediarios pueden conquistar y guardar sus privilegios, la fetichización de la mercadería reacciona sobre aquél de que salió y causa impacto sobre la mediación entre los intereses privados y el interés general, reacciona sobre el Estado. De tal suerte que en el Estado así impactado no solamente es segregado el lugar en el que las clases se representan con su parcialidad, sino que él mismo funciona por la unilateralización.

En favor de ese análisis cuyo foco no es únicamente la fetichización económica, sino el Estado impactado, nota-se la observación por Henri Lefebvre de que será en la Crítica de la filosofía hegeliana del Estado [ii] que Marx examinará los tres aspectos de la individualidad humana no seccionada, las tres dimensiones del psiquismo: la necesidad, el trabajo, la pose – estableciendo así el precedente legitimador para ese análisis.

A partir de ese esquema tridimensional, notase que la coincidencia entre el psiquismo de clase y la consciencia de clase sólo tendrá sentido en una teoría que dé privilegio para una consciencia de clase especial, como en la obra del joven Lukacs [iii], que, en lugar de realizar la filosofía para superarla conforme el pensamiento de Marx, restituí a la filosofía un papel inquietante.

Por el contrario, es el Estado impactado que garantiza la cobertura para que la función de representación acontezca, y eso es un dato del psiquismo colectivo de la sociedad y de las clases en conjunto, un hecho coyuntural.

En el prolongamiento de esa totalidad seccionada, por su vez, la coherencia del orden público, consecuentemente desproveído de su efectividad, se muestra contingente. Los procedimientos efectivos de intermediación actualizados en cuadros sociales (cadres sociales) tales como las clases y las sociedades globales se revelan todavía más inciertos en cara de aquella ruptura entre los intereses privados y el interés general, y se tornan discontinuos, multiformes, a oscilar desde la complementariedad dialéctica, implicación mutua, ambigüedad, ambivalencia hasta la polarización [iv].

Experiencia pluralista colectiva

Sin embargo, la ruptura de la reciprocidad no es su completa supresión en atomización, no reduce la realidad social a una colección de individuos sin ligación funcional en el conjunto.

De ahí el equívoco formalista[1] en suponer desde luego la atomización. Se trata en verdad del movimiento desestructuración / estructuración, cuya expresión es la tomada de consciencia de las relaciones inciertas y fluctuantes con los otros grupos y con la sociedad global. Los posicionamientos pluralistas formalistas en el plano de las técnicas políticas desconocen esa experiencia pluralista colectiva, observada y descrita en la dinámica característica de los elementos micro-sociales.

Por desconocela, los formalistas asimilan equivocadamente el sistema de frenos y contrapesos a una “teoría social de coacción”, y lo reducen indebidamente a la proposición formalista de que hubiera siempre resistencia al ejercicio del poder.

Por contra, teniendo su foco en la dinámica característica de los cuadros micro-sociales (los Nosotros y las relaciones con otros) el presente trabajo de sociología no puede ser confundido a las técnicas políticas o jurídico-políticas y pasa lejos de cualquiera reducción doctrinaria y dogmática del pluralismo social efectivo al único plano de la circulación de los grupos de interés, muy al gusto de los neoliberales con su proposición típica de que no existe sociedad solo el mercado.

En el texto que sigue se verá que, finalmente, mismo en la situación muy valorada por notables estudiosos de la historia social como Eric Hobsbawn, cuando las relaciones con otros son distribuidas jerárquicamente y sirven de punto de referencia a una estructura social (relaciones con el Estado, relaciones con la clase burguesa, etc.), la síntesis no sobrepasa el estado de combinación variable. La multiplicidad de los tiempos sociales es irreductible [v]. Tal es la sustancia de la experiencia pluralista, vía de universalización de los Derechos Humanos y Sociales.

 

Rio de Janeiro, Marzo 2014

 

O autor: Jacob J. Lumier

 

[1]Vea en el final de la “Parte 01” la NOTA COMPLEMENTAR 01

 

[i]Dois Estudos sobre as Desigualdades Sociais”, Bubok, 137 págs, Noviembre 2013, ISBN eBook en PDF: 978-84-686-4704-3, ISBN Acabado en rústica: 978-84-686-4703-6, con versión e-Pub free, link: < http://www.bubok.es/libros/229639/Dois-Estudos-Sobre-as-Desigualdades-Sociais >.

[ii] La obra que, para diferenciar de la “Introducción o Prólogo…” de la “Contribución a la crítica de la economía política”, algunos autores llaman “Crítica da Filosofía do Estado de Hegel” y otros “Crítica de la Filosofía do Derecho de Hegel” ha sido redactada en 1843 y contiene la discusión cerrada por Marx de los párrafos 261 a 313 de la Philosophie du Droit de Hegel (1821) que compone la sección “Estado”.

Vea Archives Internet marxistes: Critique of Hegel’s Philosophy of Right: http://www.marxists.org/archive/marx/works/1843/critique-hpr/index.htm

[iii] Cf. Lukacs, Georg (1885 – 1971): ‘Histoire et Conscience de Clase’, traducción y prefacio Kostas Axelos, Paris, ed. De Minuit, 1960, 382 pp, 1ª edición en Alemán: Berlim, Malik, 1923, págs.93/95.

[iv] Cuando, en sociología dialéctica, uno habla de un hecho tener un lugar dice tener inserción en un conjunto práctico. De ese punto de vista, seria equivocado concluir del hecho de la ruptura de la reciprocidad en el espacio público que la atomización social pasara a prevalecer. La realidad social no es un lugar en el sentido topográfico de ese término (la base morfológica es solamente un escalón de la realidad), sino que, penetrada por la subjetividad colectiva, comprende en la multiplicidad de sus tiempos sociales un flujo de actos colectivos que no se dejan objetivar en las obras de civilización que sustentan las estructuras. De esa forma, la ruptura de la reciprocidad no es su completa supresión, no reduce la realidad social a una colección de individuos sin ligación funcional en el conjunto.

[v] Gurvitch, Georges (1894-1965): “Dialectique et Sociologie”, Paris, Flammarion, 1962, 312 pp., col. Science.

Sociologia e a questão do voto obrigatório forçado

 

Veja o post PALESTRA DE SOCIOLOGIA SOBRE A QUESTÃO DO VOTO OBRIGATÓRIO FORÇADO

http://ssfrjbrforum.wordpress.com/2012/09/04/palestra-de-sociologia-sobre-a-questao-do-voto-obrigatorio-forcado/ 

Veja também a página do evento no Facebook

https://www.facebook.com/events/408940429165645/

Pluralismo Social Efetivo

Ícone+legenda SSF_RIOpeq

Todo o mundo sabe que os indivíduos mudam de atitude em função dos grupos aos quais pertencem. Os papéis sociais que assumem ou os personagens que encarnam mudam segundo os círculos sociais diferentes a que pertencem. Um pai ou um marido muito autoritário, por exemplo, pode, simultaneamente, desempenhar o papel de um colega particularmente atencioso. Em cada grupo, um indivíduo desempenha um papel social diferen-te: é ajustador, vendedor, professor…, por outro lado, esse mesmo indivíduo pode desempenhar, nesses grupos, papéis umas vezes sem brilho, outras vezes brilhantes; umas vezes subordinados, outras vezes dominantes; os mesmos indivíduos e os mesmos grupos podem, segundo estruturas e conjunturas sociais variadas, desempenhar papéis muito diferentes e até opostos. Dentre outras, essas variações indicam somente alguns aspectos do plura-lismo social efetivo da realidade social, que constitui o pano de fundo deste ensaio.

Para o sociólogo, o principal critério dos materiais empíricos é a variabilidade: Os agrupamentos particulares mudam de caráter e não apenas de posições; assumem identidades e diferenças não assumi-das em tipos ou subtipos de sociedades diferentes. Na medida em que participam da mudança em eficácia que se opera no interior das estruturas, os grupos, mais do que se deslocarem conforme trajetórias apenas exteriores, se movem nos tempos sociais.

As manifestações da sociabilidade, os grupos, as classes sociais, mudam de caráter em função das sociedades globais em que estão integrados; inversamente, as sociedades globais se modificam de cima a baixo sob a influência da mudança de hierarquia e de orientação das primeiras.

►A sociologia diferencial exige o abandono das ilusões do progresso em direção a um ideal, bem como o abandono das ilusões de uma evolução social unilinear e contínua, sendo da competência da sociologia descobrir, na realidade social, as diversas perspectivas possíveis e até antinômicas que são postas para uma sociedade em vias de se fazer.

As ilusões trazidas pela confusão com a filosofia da história se encontram favorecidas pela ocorrência de um erro lógico fundamental que é a falta de distinção entre os juízos de realidade e os juízos de valor. Desse erro decorre a confusão, pois em vez de explicar os desejos a partir da realidade social, constrói-se a realidade social em função desses desejos.

Os juízos de valor são as aspirações, os desejos e as imagens ideais do futuro, e formam um dos patamares da realidade social em seu conjunto, de tal sorte que o progresso em direção a um ideal (filosofia da história) só pode intervir, na análise sociológica, unicamente em vista de integrar esse progresso ideal em um conjunto de fatos sociais que a análise se propõe explicar.

A sociedade está sujeita a flutuações e até aos movimentos cíclicos, e o progresso retilíneo em direção a um ideal particular, tomado como um movimento constante, não pode valer mais do que para períodos determinados, – em outros períodos a sociedade pode orientar-se em sentido oposto ao ideal, ou por um ideal completamente diferente.

A falta de distinção entre os juízos de realidade e os juízos de valor torna impossível o acesso da análise sociológica ao dado fundamental da vida social que é a variabilidade.

►Embora tenha uma vertente acadêmica, ao debater as questões metodológicas que estão por trás da suposta alternativa fenomenologia ou sociologia, este trabalho é orientado para comunicar sobre o problema sociológico da variabilidade e, por esta via, expõe os procedimentos dialéticos e as correlações funcionais entre o conhecimento e os quadros sociais.

Jacob (J.) Lumier-2011

Livro que esclarece sobre o Pluralismo Social Efetivo.

Sumário

Apresentação    6
A ideia Tridimensional    10
Variabilidade ou Imposição?    10
As três escalas dos quadros sociais    19
Psiquismo coletivo e Reificação    23
Conhecimento e Dialética    27
A Possibilidade da Estrutura    30
Realismo Sociológico    33
Imanência recíproca do individual e do coletivo    34
Conhecimento Filosófico e Sociologia    37
Metodologia das Ciências Sociais    38
As relações dialéticas e as atitudes coletivas    43
Os procedimentos dialéticos do hiperempirismo     48
A Dialética das Alienações –    71
A pluridimensionalidade da Realidade Social    77
Dialética e Microssociologia    80
Consciência Coletiva e Formas de Sociabilidade    95
As amplitudes e os tempos    103
O Realismo Temporalista    109
Os Tempos da Burguesia    115
Crítica à Filosofia Fenomenológica    118
Artigo Anexo: Desejo e Vontade em Sociologia    126
Cronologia    134
Bibliografia    138
Índice    143
Perfil do Autor Jacob (J.) Lumier    144

A versão PDF free deste trabalho pode ser baixada unicamente desta página. Tecle no link abaixo:

A Ideia Tridimensional em Sociologia

Me envie seus comentários e críticas preenchendo o formulário abaixo:

Artigo sobre a Desconstrução das Desigualdades Sociais

 Capa do Artigo
Capa do Artigo

          Ementa, Resumo, Apresentação e Sumário do ensaio de sociologia publicado junto a Think Tank for Global Sociology intitulado A Desconstrução das Desigualdades Sociais[i].

Por Jacob (J.) Lumier

http://www.sociologynetwork.org/

***

Ementa

Notas sobre a experiência de Sociólogos sem Fronteiras Rio de Janeiro – SSF/RIO junto à Cúpula dos Povos na “Rio+20”- Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, em Junho 2012, na cidade do Rio de Janeiro.

Remarks to work on the deconstruction of social inequalities: An experience of Sociologists Without Borders- SSF/RIO with the Peoples’ Summit at Rio +20″ (Event United Nations, June 2012, Rio de Janeiro).

Resumo

Neste artigo o autor põe em obra uma crítica à falsa suposição tirada do antigo atomismo social de que, mediante a imposição do sistema de vantagens e desvantagens que compõem as desigualdades sociais, o controle capitalista das aspirações ao bem-estar tivera absorvido completamente a sociabilidade humana (“não existe sociedade, só há o mercado”).   Sustenta que a experiência sociológica de participar na Cúpula dos Povos reconhece a redescoberta do pluralismo social efetivo subjacente.

Abstract

In this article, the author presents as a paper, a critical opinion ( criticism) to the false assumption withdrawn from old social atomism that the capitalist control of welfare aspirations, by imposition of system of advantages and disadvantages that is part of the social inequalities, has completely absorbed the human sociability ( “ there is no society, but only market” ). It sustains that the sociological experience of taking part in The People’s Summit, recognizes the discovery of effective and fundamental social pluralism.

Key words:

Social Atomism, People’s Summit, economism, sociological experience, social pluralism

***

Apresentação

O principal critério dos materiais empíricos é a variabilidade: Os agrupamentos particulares mudam de caráter e não apenas de posições; assumem identidades e diferenças não assumidas em tipos ou subtipos de sociedades diferentes. Na medida em que participam da mudança em eficácia que se opera no interior das estruturas, os grupos, mais do que se deslocarem conforme trajetórias apenas exteriores, se movem nos tempos sociais. A análise estrutural é inseparável da realidade social histórica.

Como se sabe, os universos simbólicos são passíveis de cristalização segundo processos de objetivação, sedimentação e acumulação do conhecimento. Esses processos de cristalização levam a um mundo de produtos teóricos que, porém, não perde suas raízes no mundo humano, de tal sorte que os universos simbólicos se definem como produtos sociais que têm uma história.  Antes de se ligarem aos papéis sociais, como desejaram equivocadamente os formalistas, as expectativas se ligam ao esforço coletivo, incluindo-se, neste último, os históricos não só de iniciativas, projetos e métodos, mas das tentativas e das próprias realizações de um agrupamento social.

A compreensão elaborada neste ensaio é orientada pela afirmação espontânea do equilíbrio parcial entre as prerrogativas de uns e as obrigações de outros, como foco da vida do Direito, que se inclui nas manifestações da sociabilidade e no consequente pluralismo social efetivo subjacente ao controle capitalista.  Trata-se de um dado empírico que derruba por terra os axiomas tirados do atomismo social e projetados na consigna neoliberal de que “não existe sociedade, só há o mercado”.

A experiência sociológica de participar na Cúpula dos Povos, matéria deste ensaio, traduz-se como instância crítica da mercadorização das relações humanas e, deste ponto de vista, põe em questão a categoria economicista da vantagem diferencial como componente do condicionamento individual imposto pelo controle capitalista, aplicável a todas as coisas que contam pontos em um curriculum vitae ou em portfólios.

A crítica proposta alcança a aplicação da categoria economicista da vantagem diferencial que se traduz nos conceitos de “capital social”, “capital humano” (inclui o “capital intelectual”) e “capital cultural”, utilizados como critérios para: (a) comparar as desigualdades sociais com alcance na economia: desigualdades de oportunidades, de níveis de vida, de acesso ao consumo, aos conhecimentos, aos bens e valores desejados; desigualdades de realizações pelo trabalho, no exercício dos direitos individuais e sociais e das liberdades, etc.; e…  (b) relacioná-las em hierarquias variadas, a fim de descrever um sistema estratificado característico de um dado regime capitalista (estratos econômicos e sociais).  Tais aplicações preservam intocado o problema sociológico da desigualdade e deixam de lado a grave disparidade entre opulência e pobreza.

Novembro 2012

Jacob (J.) Lumier

https://profiles.google.com/j.lumier/about

***

Sumário

Apresentação   6

O Limite da Igualdade   9

Os Direitos Sociais           10

O Controle Capitalista   10

Pluralismo social e Sentimento coletivo               11

A experiência Sociológica            12

A falsa suposição de atomismo social    12

Momento de análise     12

Expectativas e Solidariedade     13

Contra o atomismo        14

Conceito dialético de grupo       15

Crítica do enfoque economicista pela vantagem diferencial       17

Reificação e função de representação no psiquismo da estrutura de classes     17

O saber economicista e o psiquismo da classe burguesa              17

Unilateralização e generalização das necessidades         18

O desejo de posse         19

A sabedoria de frieza    20

A ficção do futuro           20

A satisfação das necessidades e a disposição praticista.               21

A vantagem diferencial no esvaziamento das significações humanas     21

A função conservadora da vantagem diferencial             22

A função social de reconciliar os homens com as más condições de vida.             23

O Pluralismo Social Efetivo          23

Juízos de Valor e Juízos de Realidade    24

A inserção do sociólogo na desconstrução das desigualdades.  25

Nota Complementar Sobre O Produtivismo       26

Nota Complementar Sobre A Transformação Das Necessidades              28

Nota sobre o utilitarismo normativo      29

Notas de Fim     29

Ícone+legenda SSF_RIO


[i] O artigo em epígrafe foi desdobrado dos documentos apresentados pelo autor em sua participação na Cúpula dos Povos, já divulgados online na Web da Rede dos Povos e nesta Web. Acesse o seguinte link: http://ssfrjbrforum.wordpress.com/vantagem-diferencial-e-desigualdades-sociais/